Versão para impressão Enviar por E-mail
banner_josevaz

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Horário

2.ª - 6.ª 09h30 - 19h30 /

sáb.  09h30 - 17h30

 


Folha de sala

 

Vida do venerável padre José Vaz


Canonização do P.e José Vaz (1651-1711),

evangelizador de Ceilão

MOSTRA | 14  jan. - 14 fev. '15 | Sala de Referência | Entrada livre

 

O Papa presidiu, a 14 de janeiro de 2015, no Sri Lanka, à cerimónia de canonização do padre português José Vaz, nascido em Goa em 1651. O padre José Vaz foi beatificado, em 1995, por João Paulo II, aquando de uma visita do Papa ao Sri Lanka. É o primeiro santo de origem goesa.

A Biblioteca Nacional de Portugal (BNP) assinala o evento com uma pequena mostra bibliográfica composta por diversas biografias do padre José Vaz e por uma cópia da Chronologia da Congregação do Oratório de Goa, do padre Sebastião do Rego – autor da mais completa biografia do novo santo português –, um manuscrito do século XVIII, da Biblioteca Pública de Évora.

Nascido em Benaulim (Goa), de pais com ascendência brâmane, aprende as primeiras letras e Latim em Benaulim, frequentando primeiro Humanidades na Universidade de Goa e depois Filosofia e Teologia no Colégio Académico de S. Tomás. Em 1676, em Goa, é ordenado sacerdote, aí começando a exercer o seu ministério. Dada a notoriedade que desde cedo granjeou, era frequentemente escolhido como diretor espiritual, chegando a ser confessor do governador de Goa, D. Rodrigo da Costa.

Em 1681, é nomeado vigário da Vara e superior das Missões de Canará, onde, até 1685, desenvolve intensa atividade apostólica, construindo igrejas e instituindo eremitérios. É então que tem conhecimento da difícil situação da Igreja em Ceilão, onde os padres católicos eram perseguidos pelos holandeses. Começa aí a germinar a ideia de evangelizar Ceilão e chega mesmo, dada a dificuldade de entrar na ilha, a propor ser vendido como escravo.

Em 1684, retorna a Goa onde retoma o seu apostolado. Funda, então, a Congregação do Oratório de S. Filipe Néri, da qual é eleito Prepósito. Não  abandonara a ideia de rumar a Ceilão e em 1686 resigna ao cargo de Prepósito da Congregação que fundara e parte para aquela ilha, levando apenas um breviário e o indispensável para a celebração dos ritos católicos. Veste-se como escravo e mendiga o que comia. Foi, aliás, sob o pretexto de ter de mendigar para viver que consegue embarcar. Já em Ceilão, devido ao seu aspeto andrajoso, é alvo de escárnio e maus tratos, mas nunca desiste de procurar os católicos remanescentes, aos quais ministrava os sacramentos nas suas próprias casas.

Vem a falecer em 1711, pedindo, nos seus últimos momentos, que o deixassem morrer sobre a terra nua.

Deixou em Ceilão igrejas, hospitais e uma importante comunidade católica que nas décadas seguintes continuou o seu trabalho evangelizador. Deixa também trabalhos escritos em tâmil, publicados sob pseudónimo. Sabe-se que compôs um vocabulário da língua cingalesa, que serviu aos missionários que lhe sucederam, e que traduziu o Evangelho para as línguas tâmil e cingalesa.

Em vida e depois da sua morte, são atribuídos à sua intercessão numerosos milagres, sendo ainda hoje nos locais do seu apostolado recordada a sua aura de santidade.

Conhecido como o Apóstolo do Sri Lanka, está para Goa, Canará e Ceilão como S. Francisco Xavier para o Oriente, sendo alvo de particular devoção dos católicos goeses. À data da sua morte estima-se que existissem 55 mil católicos em Ceilão. O Sri Lanka tem atualmente cerca de um milhão e meio de católicos, correspondentes a cerca de 7% da população do país.