Versão para impressão Enviar por E-mail
banner_matilde

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal


Tel. 21 798 20 00
Fax 21 798 21 40
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

 

 

Sítio Web relacionado:

Maria Keil, ilustradora


Matilde Rosa Araújo (1921-2010)

MOSTRA | 17 - 30 Setembro | Sala de Referência | Entrada livre

 

matilde-rosa-araujoDepois de uma escolaridade integralmente doméstica, Matilde Rosa Lopes de Araújo ingressou na Faculdade de Letras de Lisboa, onde se licenciou em 1945, seguindo a carreira do ensino técnico-profissional, leccionando nomeadamente no primeiro curso de Literatura para a Infância na escola do Magistério Primário. Como escritora, deixou uma obra essencialmente ligada à infância e adolescência, quer enquanto novelista e contista, quer de poetisa, ascendendo a mais de meia centena os títulos publicados, a maior parte dos quais com sucessivas reedições. Se a tal juntarmos as obras didácticas, as antologias, as obras de divulgação para crianças e adolescentes, estamos seguramente perante uma dos nomes mais importantes do género na literatura portuguesa contemporânea.

matilde_l-18488-vEm geral, a sua obra coloca o mundo da infância, sob um olhar descobridor e deslumbrado, em face do olhar adulto que completa, com a sabedoria, a percepção do mundo que rodeia as personagens, mesmo nos seus aspectos mais banais. Com a sua consagração, cerca de duas décadas após o primeiro título, A Garrana (ficção, 1943), as obras de Matilde Rosa Araújo cobrem-se com a colaboração de alguns dos melhores ilustradores do seu tempo, tornando os seus livros objectos de beleza que aliam ao poder do texto a riqueza sugestiva das imagens.

Recebeu da Fundação Calouste Gulbenkian o Grande Prémio de Literatura para Crianças (1980) e o prémio para o melhor livro infantil, pelo seu trabalho poético Fadas Verdes (1996). A novela O Palhaço Verde, um dos seus primeiros títulos, foi considerada como melhor livro estrangeiro pela associação Paulista de Críticos de Arte de São Paulo (1991).