Versão para impressão Enviar por E-mail
banner_m_juditecarvalho

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal


Tel. 21 798 20 00
Fax 21 798 21 40
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

 

Maria Judite de Carvalho, princesa da ironia por Urbano Tavares Rodrigues

Maria Judite de Carvalho: 50 anos de vida editorial

MOSTRA BIBLIOGRÁFICA | 3 Novembro a 16 Janeiro | Sala de Referência | Entrada livre

 

m_juditecarvalho_thumbCumpre-se este ano o cinquentenário do aparecimento de Maria Judite de Carvalho em volume - Tanta Gente Mariana – já programático de uma vida e de uma obra que os anos posteriores viriam a subscrever  na sua atitude essencial. Seja nos termos éticos fundadores duma estética (já dominante na actividade plástica da autora anterior à sua opção profissional pela crónica intimista ou do quotidiano que assinou em várias revistas e jornais), seja na atenção aos desajustes entre o eu e o outro ou entre o passado e o futuro duma mesma consciência.

 

Em termos formais a respiração novelística, que animou os contos breves e os textos de maior fôlego, ou a melodia frásica, elíptica, que frequentemente induz leituras plurais de um significante primário, são algumas das características duma escrita cuja singularidade permanece indiscutível.

 

tanta_gente_mariana_thumbA radical independência de espírito de Maria Judite de Carvalho e o inconformismo com que,  em tempos de ditadura, já retratava a pequena e a média burguesia urbana, os seus frustrados universos femininos, ou a medida existencial das pequenas coisas,  rapidamente suscitaram a atenção do público e a dos decisores de um reconhecimento colectivo que em 1961 atribuiu o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco da SPA ao segundo livro publicado - Palavras Poupadas – e em 1998 coroou com o Prémio Vergílio Ferreira o conjunto da sua obra a pretexto de Seta Despedida.

 

PRÉMIOS ATRIBUÍDOS EM VIDA:

Prémio Camilo Castelo Branco

Prémio da Crónica da Associação Portuguesa de Escritores 1991

Prémio da Associação Internacional de Críticos Literários 1995

Prémio da Associação Portuguesa de Escritores 1995

Prémio Pen Club 1995

Prémio Revista Máxima 1995

Prémio Vergílio Ferreira 1998

 
Agenda