Print E-mail
saude-natural_banner

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38

This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it

 

Horário

2.ª - 6.ª 09h30 - 19h30

sáb.  09h30 - 17h30

 

 

Folha de sala

 

Visitas guiadas
por Carlos Campos Ventura
28 fev. | 14h30
28 mar. | 14h30
18 abr. | 14h30
Sujeitas a This e-mail address is being protected from spambots. You need JavaScript enabled to view it

 

Cartaz / Convite

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Apoio: 


Saúde Natural em Portugal (séculos XIX-XXI)

MOSTRA | 3 fev. - 28 abr. '18 | Sala de Referência | Entrada livre
CONFERÊNCIA  | 7 mar. '18 | 14h30 | Auditório | Entrada livre

 

Conferência

Amílcar de Sousa e os primórdios do Naturismo em Portugal

por Isabel Drumond Braga

 

 

O movimento Saúde Natural existe desde o início do século XIX e Portugal acompanha de imediato essa tendência. Mas já desde o princípio desse século que a Homeopatia era praticada no país, sobretudo no Porto.


As grandes correntes de Saúde Natural do século XIX em Portugal são a Homeopatia, a Hidroterapia e a Alimentação Natural. No entanto, nesse período, só há notícia da existência de médicos no país, sendo que os primeiros naturopatas a exercer em Portugal datam de começos do século XX. É sobretudo após a implantação da República que a Saúde Natural se desenvolve, com o nascimento de instituições marcantes como a Sociedade Portuguesa de Naturalogia, a Farmácia Homeopática de Santa Justa e a revista O Vegetariano.


Com a instauração da ditadura e com a tensão político-social internacional, a circulação de ideias e experiências é dificultada, o que condiciona também o desenvolvimento desta área. É preciso chegar a década de 70, e a chamada «primavera marcelista», para a Saúde Natural começar a ter maior expressão.


Mas é com o 25 de Abril de 1974 que se dá a grande explosão. O movimento ecológico ganha força, a macrobiótica cria maior dinâmica, e a partir da década de 80 surge o ensino organizado das medicinas naturais, do qual resulta a formação de milhares de profissionais em Naturopatia, Homeopatia, Medicina Tradicional Chinesa e Osteoterapia, entre outros.


Com a publicação da Classificação Nacional das Profissões, em 1994, o Estado, até então longe do movimento, assume a existência de três profissões de medicina natural: Naturopata-Naturologista, Homeopata-Naturologista e Acunpuntor-Naturologista. E em 2003 o Parlamento aprova por unanimidade a lei do enquadramento-base das terapêuticas não-convencionais.


Na exposição, comissariada por Carlos Campos Ventura, estão patentes livros, folhetos e diferentes materiais que resumem e documentam a presença da Saúde Natural em Portugal desde o seu início. Para o comissário, a Saúde Natural «semeou e foi suporte na defesa de inúmeras tendências inovadoras que a sociedade foi adotando», nos campos da alimentação, da medicina, dos cuidados de saúde e até da atividade física, contribuindo decisivamente para o «acesso das populações à liberdade de escolha relativamente à sua saúde e ao seu corpo» e mesmo para o «questionamento de como se relacionam com o planeta e a natureza, com a economia e os poderes vigentes».