Versão para impressão Enviar por E-mail

 

 

Biblioteca Nacional de Portugal

Serviço de Actividades Culturais

Campo Grande, 83

1749-081 Lisboa

Portugal

 

 

Informações

Serviço de Relações Públicas
Tel. 21 798 21 68

Fax 21 798 21 38
Este endereço de e-mail está protegido de spam bots, pelo que necessita do Javascript activado para o visualizar

 

Horário

2.ª - 6.ª: 09h30 - 19h30

sáb.: 09h30 - 17h30


Aldo Manuzio: Mercadores en el templo de la literatura (2015)*

 

Folha de sala

 

Cartaz

 

CEH

 

CHAM

 

Biblioteca Nacional de Espanha


Aldo Manuzio (ca 1450-1515): o inventor do itálico

MOSTRA | 22 set. - 31 dez. '15 | Sala de Referência | Entrada livre

Em Setembro de 1500, em Veneza, é impresso na Casa de Aldo Manuzio um livro com a correspondência de Catarina de Siena, a freira dominicana canonizada e nos dias de hoje aceite como Doutora da Igreja. O livro inclui uma gravura da Santa, idealizando uma das muitas experiências de êxtase do seu casamento místico com Jesus, trocando com ele o seu coração.

Poderia ser um livro, um simples livro ilustrado, como muitos dos outros que eram impressos na cidade italiana. Porém a gravura apresenta três frases escritas - «iesu dolce; iesu amore; iesu» - numa letra diferente de todas as outras que a tipografia experimentara e conhecera até então: uma letra levemente inclinada à direita, um ductus que Aldo Manuzio desenhara e fizera abrir pelo gravador Francesco Grifo e que ajudava a expressar e a destacar o êxtase sentido pela santa. Um tipo novo que depressa começou a correr mundo e que hoje é conhecido como itálico. Uma forma de letra que no meio de um texto extenso se destaca e chama a atenção do leitor.

Ao passar o quinto centenário da morte de Aldo Manuzio (c. 1450-1515), o homem que ajudou a transformar a tipografia em arte, a Biblioteca Nacional de Portugal e a Universidade Nova de Lisboa – através do Centro de Estudos Históricos (CEH) e do Centro de História d’Aquém e d’Além-Mar (CHAM) – associaram-se em torno dessa mesma efeméride, organizando uma mostra da obra dos prelos venezianos aldinos – escolhida entre o acervo que se encontra à guarda da BNP – e de um seminário, evocando não só o tipógrafo e humanista, mas também o itálico como um dos seus grandes legados à humanidade.

Comissário: João Alves Dias


* O vídeo Aldo Manuzio: Mercadores en el templo de la literatura (2015), com guião de Javier Azpeitia e produção da Biblioteca Nacional de España, estará em projeção contínua na Sala Multimédia, durante o período da mostra (dia 28 de setembro, da parte da tarde, não haverá projeção)